Cinco deputados de MT assinam pedido de impeachment de Lula
Fonte: Da Redação 19/02/2024 ás 20:21:56 1240 visualizações

Cinco deputados federais por Mato Grosso assinaram o pedido de impeachment contra o presidente Lula (PT), devido à declaração do petista, no domingo (18), comparando os ataques de Israel na Faixa de Gaza ao Holocausto.

A fala do presidente abriu uma crise diplomática entre os dois países. Abilio Junior, Amália Barros, José Medeiros, Coronel Fernanda e Coronel Assis, todos do PL, aumentaram a lista de assinaturas, que até a publicação desta matéria já tinha 91 nomes.

Segundo os deputados, ao comparar os atos em Israel ao massacre protagonizado por Hitler contra os judeus, Lula expôs o Brasil ao perigo de guerra, o que seria passível de crime de responsabilidade.

O grupo extremista Hamas chegou a agradecer a declaração de Lula. Dos 91 deputados que pedem o afastamento do petista, 18 desses são da base do governo.

Persona non grata

Nesta segunda-feira (19), o ministro das Relações Exteriores de Israel, Israel Katz, afirmou que Lula é “persona non grata” no país até que faça retratações.

Além do posicionamento público, o governo de Israel mudou o protocolo para encontros com diplomatas e representantes de nações estrangeiras.

Ainda no domingo, o primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu, disse que a fala de Lula equivalia a “cruzar uma linha vermelha”.

“As palavras do presidente do Brasil são vergonhosas e graves. Trata-se de banalizar o holocausto e de tentar prejudicar o povo judeu e o direito de Israel se defender”, disse Netanyahu.

Enviar um comentário
Comentários
fenix 1 mês atrás

ESSES 5 DEPUTADOS SÃO INIMIGOS DO POVO BRASILEIRO. OS 4 ANOS QUE O INELEGIVEL FERROU A NAÇÃO, OS TAIS SE MANTIVERAM ALINHADOS AO GOVERNO OMISSO, TIRANO E INCAPACITADO DE GERIR. AGORA SO PQ O PRESIDENTE LULA FEZ UMA CRITICA AO GOVERNO SIONISTA (NÃO AO POVO JUDEU), ESSES DEPUTADOS APROVEITAM PARA TENTAR DERRUBAR O GOVERNO. MAS TODA TENTATIVA É EM VÃO ESSE PEDIDO CAIRÁ POR TERRA, POIS FOI DEUS QUEM COLOCOU LULA NO PODER.

Mais notícias