POLÍCIA ▸ ACIDENTE

Vigilante de aeroporto é baleado por policiais da Rotam ao ser confundido com ladrão

Um vigilante do aeroporto Jonas Pinheiro da cidade de Santo Antônio do Leverger (30 km de Cuiabá) foi baleado por policiais do Batalhão de Rondas Ostensivas Tático Móvel (Rotam) ao ser confundido com um criminoso, na madrugada desta terça-feira (14). Após ser baleada, a vítima foi socorrida e encaminhada ao Hospital Municipal de Cuiabá (HMC).

Os militares informaram que foram ao local após receberem uma informação de que criminosos invadiram o aeroporto e estavam roubando o local.


Diante da possibilidade de crime, os policiais entraram no local e por meio de uma janela de vidro viu um homem deitado no chão segurando uma arma e outro revólver atrás de uma mesa de escritório.

Imediatamente, os PMs se identificaram e ordenaram para que o homem largasse a arma. No entanto, os policiais informaram que o vigilante aparentava que estava dormindo e novamente foi solicitado para que ele soltasse o revólver.

Na sequência, o homem acordou e novamente os militares ordenaram para que ele soltasse a arma.  No entanto, o vigilante não acatou as ordens e apontou o revólver na direção dos PMs.

Logo depois, os policiais atiraram três vezes no homem. Em seguida, o trabalhador soltou a arma e se identificou como vigilante, mas que não era registrado na empresa.

Ao ser questionado sobre a arma, o mesmo disse não ter o porte e que não sabe sobre a documentação do revólver. O vigilante ainda disse que só apontou a arma para os policiais porque há dias vem recebendo informações que criminosos querem roubar o aeroporto.

O trabalhador ainda foi perguntado se não ouviu os policiais ordenando para que ele abaixasse a arma. O vigilante disse que ouviu, mas que pensou que os policiais eram criminosos e por isso apontou o objeto na direção dos agentes.

Após ser baleado, o trabalhador foi socorrido e encaminhado ao Hospital Municipal de Cuiabá (HMC). O quadro de saúde dele é considerado estável e não possui maiores complicações.

O caso será investigado pela Polícia Civil.

Comentários