MUNDO ▸ DECLARAÇÃO

Vaticano muda declaração do Papa sobre ajuda psiquiátrica a criança gay

O Vaticano retirou, nesta segunda-feira (27), a referência à "psiquiatria" na declaração dada neste domingo pelo Papa Francisco, ao ser questionado sobre a homossexualidade, e um porta-voz disse que o sumo pontífice não quis abordar o tema como "uma doença psiquiátrica".

No domingo, em entrevista coletiva no avião que levava Francisco da Irlanda de volta para Roma, o Papa argentino disse que os pais que observarem tendências homossexuais em seus filhos devem dialogar e dar espaço para que a criança possa se expressar.

Durante a entrevista, o Papa disse: "Uma coisa é quando se manifesta quando criança, quando há tantas coisas que podem ser feitas, por meio da psiquiatria, para ver como estão as coisas. Outra coisa é quando se manifesta depois dos 20 anos".

Na transcrição da entrevista publicada nesta segunda pelo serviço de imprensa do Vaticano, a frase ficou: "Uma coisa é quando se manifesta quando criança, quando há tantas coisas que podem ser feitas, para ver como estão as coisas. Outra coisa é quando se manifesta depois dos 20 anos ou algo parecido".

Um porta-voz do Vaticano explicou à agência France Presse que a palavra "psiquiatria" foi retirada do boletim "para não alterar o pensamento do papa".

"Quando o Papa se refere à 'psiquiatria', é claro que ele faz isso como um exemplo que entra nas coisas diferentes que podem ser feitas", explicou a mesma fonte.

"Mas, com essa palavra, ele não tinha a intenção de dizer que se tratava de uma doença psiquiátrica, mas que talvez fosse necessário ver como são as coisas no nível psicológico", acrescentou o porta-voz.

Associações criticaram
Associações LGBT francesas interpretaram que, ao citar ajuda psiquiátrica, o Papa considera a homossexualidade como uma doença e criticaram seus comentários como "irresponsáveis".

"Condenamos estas declarações que fazem referência à ideia de que a homossexualidade é uma doença. Se há uma doença é esta homofobia arraigada na sociedade", disse à agência France Presse Clémence Zamora-Cruz, porta-voz da Inter LGBT (Lésbicas, Gays, Bissexuais e Transexuais).

Suas palavras "graves e irresponsáveis incitam o ódio contra as pessoas LGBT em nossas sociedades já marcadas por altos níveis de homofobia", reagiu no Twitter a organização SOS Homofobia.

Comentários