POLÍTICA ▸ RESPOSTA

Vaquinha de presépio era a bancada do Silval que aprovou o VLT, diz deputado Romoaldo Jr

O deputado estadual Romoaldo Júnior  rebateu o prefeito de Cuiabá Emanuel Pinheiro (MDB), que declarou que os integrantes da bancada do MDB na Assembleia foram “vaquinhas de presépio” do governador Mauro Mendes (DEM) ao aprovar a mudança do VLT para o BRT como modal de transporte na Região Metropolitana. A mensagem do Executivo, aprovada na última quinta (07), autoriza que renegocie o empréstimo junto à Caixa Econômica Federal (CEF).

Romoaldo ressalta que sempre foi  contra o VLT  por considerá-lo inviável. Afirma ainda que “vaquinhas de presépio” foram os deputados da bancada do ex-governador Silval Barbosa, que aceitaram trocar o BRT pelo VLT, sem  embasamento técnico, apenas para agradar o então chefe do Executivo e algumas lideranças políticas do Estado.  

“Vaquinha de presépio era a bancada do Silval, que o Emanuel fazia parte, que aprovou o VLT para agradar o ex-governador. O Emanuel é meu amigo, é meu irmão, mas não posso deixar de dizer que o governador Mauro Mendes e a Assembleia fizeram um gol de placa ao aprovar a mudança para o BRT. Esse modal é viável, moderno, mais barato e ficará pronto em dois anos. A Assembleia e a bancada do MDB não são vaquinhas de presépio. Trabalharam para resolver esse problema que envergonha Mato Grosso há seis anos”, disse Romoaldo, que foi líder de Silval na Assembleia e hoje faz parte da base de Mauro, ao .

Aliado tanto de Emanuel quanto do governador, Romoaldo defendeu que a disputa entre os dois chegue ao fim. Segundo o emedebista. O prefeito e Mauro precisam deixar de ser “bicudos”.  

 “Emanuel e Mauro precisam parar de ser bicudos. Eles eram amigos. O Emanuel coordenou a campanha do Mauro para prefeito de Cuiabá. Depois, a primeira-dama Virginia Mendes retribuiu apoiando Emanuel para suceder Mauro. No momento certo, o governador vai sentar com os prefeitos de Cuiabá e Várzea Grande para discutir o modal de Transporte. Essa briga tem que acabar para o bem da população”, completou o parlamentar.

No embate sobre o modal, o Superior Tribunal de Justiça (STJ) e o Tribunal de Justiça de Mato Grosso (TJMT) negaram as liminares pleiteadas por Emanuel para barrar o processo de mudança do VLT para BRT sem ouvir a Prefeitura de Cuiabá. Entretanto, nenhuma das ações propostas pelo prefeito como primeiro ato da nova gestão foram julgadas no mérito.

Comentários