NACIONAL ▸ FAKE NEWS

TCU contraria Bolsonaro e nega questionar 50% das mortes por covid no Brasil

O Tribunal de Contas da União (TCU) emitiu uma nota nesta segunda-feira (7) para negar que tenha emitido algum relatório questionando o número de mortes por Covid-19 em 2020.

No comunicado, o TCU rebate uma declaração dada pelo presidente Jair Bolsonaro na manhã desta segunda. Bolsonaro afirmou a apoiadores que um suposto relatório do tribunal lançaria dúvida sobre parte dos óbitos registrados em decorrência da pandemia.

"O TCU esclarece que não há informações em relatórios do tribunal que apontem que 'em torno de 50% dos óbitos por Covid no ano passado não foram por Covid', conforme afirmação do Presidente Jair Bolsonaro divulgada hoje", diz a Corte.
No fim da noite, o TCU adicionou um parágrafo ao posicionamento, negando a autoria de um documento que circula na internet e é atribuído aos técnicos do órgão.

"O TCU reforça que não é o autor de documento que circula na imprensa e nas redes sociais intitulado 'Da possível supernotificação de óbitos causados por Covid-19 no Brasil'", afirma o tribunal.

Ao falar do suposto documento aos apoiadores, Bolsonaro disse que estava divulgando a informação em "primeira mão", e que "em torno de 50% dos óbitos por Covid" teriam sido registrados de forma incorreta no ano passado.


"Primeira mão para você. Não é meu, é do tal do Tribunal de Contas da União, questionando o número de óbitos no ano passado por Covid. O relatório final não é conclusivo, mas em torno de 50% dos óbitos por Covid no ano passado não foram por Covid segundo o Tribunal de Contas da União", declarou o presidente.

Bolsonaro também disse que divulgaria o suposto relatório do TCU à tarde – o que não aconteceu.

Números
Até domingo (6), o Brasil registrou 473.495 mortes por Covid-19, segundo levantamento do consórcio de veículos de imprensa sobre a situação da pandemia de coronavírus no Brasil.

O Brasil contabilizou oficialmente 194.976 mortes em 2020 motivadas pelo vírus. Essa mesma cifra, em 2021, foi ultrapassada na última semana de abril. 

Comentários