POLÍCIA ▸ OPERAÇÃO

Servidores do TRE e da Caixa estão entre alvos da Policia Federal por fraudes milionárias

Investigações da Polícia Federal (PF) apontam que advogados, servidores públicos da Caixa Econômica e do Tribunal Regional Eleitoral (TRE) de Mato Grosso estão envolvidos no esquema de fraudes no Auxílio Emergencial e Precatórias Judiciais. Foram mais de R$ 14,3 milhões em recebimentos e saques ilegais, por todo o Brasil.

A PF deflagrou a operação ET Caterva, na manhã desta quarta-feira (31), na qual cumpriu mandados de busca e apreensão e prisão, em 12 estados, incluindo Mato Grosso. O objetivo foi desarticular a organização criminosa, que tem como base Cuiabá. Os mandados foram expedidos pela  5ª Vara Federal da Seção Judiciária de Cuiabá. 

A ação teve o apoio da Caixa Econômica Federal e, mobilizou mais de 300 policiais federais no cumprimento de doze mandados de prisão, setenta e sete mandados de busca e apreensão e sequestro de bens e, ainda, nove medidas de suspensão do exercício da função pública.  

A PF constatou levantamento ilegal de mais de R$ 13.000.000,00 (treze milhões de reais) em precatórios judiciais, além de mais de R$ 2.700.000,00 (dois milhões e setecentos mil reais) em tentativas de saques em várias regiões do país.

Restaram efetuados aproximadamente 1570 saques de benefícios, entre os meses de abril de 2020 e março de 2021, resultando em um prejuízo superior a R$1.300.000,00 (um milhão e trezentos mil reais).

A organização confeccionava documentos falsos, os quais eram forjados com os dados dos beneficiários dos precatórios e as fotografias dos estelionatários, os quais se dirigiam ao banco para realizar os saques. Uma vez efetuado o levantamento do precatório, o montante era pulverizado em diversas contas, com o intuito de ocultar a origem ilícita.

Entretanto, a Caixa suspendeu o pagamento de precatórias em 2020, e os bandidos passaram a cometer fraudes nas parcelas do Auxílio Emergencial. O O grupo fez 1570 saques de benefícios, entre os meses de abril de 2020 e março de 2021.

O nome da Operação, “Et Caterva”, se trata de expressão em latim, utilizada de forma pejorativa, que denota a ideia de um grupo de comparsas, visto que a investigação identificou um grupo de pessoas que se uniram no propósito de cometer os delitos hoje desarticulados.

Comentários