NACIONAL ▸ ARTICULAÇÕES

Se houve grampo é uma desonestidade, diz Bolsonaro sobre áudio

O presidente Jair Bolsonaro afirmou nesta quinta-feira (17) que não discute "publicamente" a disputa pela liderança do PSL na Câmara e que, caso seu telefone tenha sido grampeado, tratou-se de "uma desonestidade".

O presidente comentou na saída do Palácio da Alvorada um áudio, revelado pela revista Época e pela revista Crusoé, no qual ele fala com interlocutor sobre lista de assinaturas para tirar o deputado Delegado Waldir (GO) do cargo de líder do PSL na Câmara.

Waldir é ligado ao presidente da legenda, deputado Luciano Bivar (PE), e tem feito críticas públicas a Bolsonaro.

Ao ser questionado se articulou para tirar Waldir da liderança do partido na Câmara, o presidente disse que não comenta o assunto publicamente.

"Eu não trato publicamente desse assunto. Converso individualmente. Se alguém grampeou telefone, primeiro é uma desonestidade", disse.
Na semana passada, o presidente abriu uma crise com o comando do partido ao qual é filiado ao orientar um apoiador a esquecer Bivar que, na opinião dele, está "queimado". Bivar disse que a fala era "terminal" na relação entre Bolsonaro e o partido, ao qual o presidente é filiado.

Comentários