POLÍTICA ▸ APOSENTADORIA

Retorno de conselheiro reacende articulação sobre vaga no Tribunal de Contas do estado

Primeiro-secretário da Assembleia Legislativa, deputado Eduardo Botelho (DEM) pode ser "beneficiado"  com a decisão da Justiça que determinou a volta do conselheiro Waldir Teis ao Tribunal de Contas de Mato Grosso (TCE). O parlamentar é principal cotado para assumir a vaga, caso o Teis decida prosseguir com seus planos de se aposentar, após ficar 4 anos afastado por força decisão judicial. 

Ainda se recuperando de uma cirurgia plástica no nariz, o Democrata conversou com a imprensa na sala de um reuniões da Câmar Municipal de Cuiabá, durante uma visita de cortesia ao presidente da Casa, vereador Juca do Guaraná Filho (MDB). Aos jornalistas, Botelho disse que os afastamentos apenas trazem prejuízos aos cofres públicos. 

"Já estava na hora né. Ou você tem que apresentar uma denúncia ou tem que voltar. Não se pode fazer esse afastamento eterno. Tem que tomar uma decisão, a Justiça tem que ser ágil nesse aspecto", disse.

Na noite desta quarta-feira (23), o ministro do Superior Tribunal de Justiça (STJ), Raul Araujo, revogou as medidas cautelares impostas contra Teis e autorizou sua volta ao TCE. Ele foi um dos 5 conselheiros afastados do cargo durante a 12ª fase da Operação Ararath, denominada Malebolge, deflagrada no dia 14 de setembro de 2017.

Waldir, José Carlos Novelli, Antônio Joaquim, Valter Albano e Sérgio Ricardo foram entregues pelo ex-governador Silval Barbosa, em delação premiada, por terem condicionado a continuidade das obras da Copa do Mundo de 2014 ao pagamento de R$ 53 milhões em propina. Desses, apenas Ricardo ainda não retornou ao cargo. 

Em dezembro do ano passado, Teis chegou a entrar com o pedido de aposentadoria pelo tempo de contribuição, contudo, a solicitação foi negada pelo presidente da Corte de Contas, Guilherme Maluf. A negativa levou o conselheiro a recuar do processo.

A sua desistência de se aposentar esfriou as articulações para a indicação de um novo nome para a vaga dentro da Assembleia Legislativa. O mais cotado seria Botelho que, embora evite falar publicamente sobre o assunto, estaria entusiasmado com a possibilidade.

O democrata possui o apoio de pelo menos 20 parlamentares para assumir a cadeira, além do respaldo do governo. Questionado sobre a possibilidade, Botelho novamente evitou comentar sobre o assunto.  "Eu nunca fiquei correndo atrás dessa questão da aposentadoria, eu só luto por algo que eu estou vendo. Ninguém sabe se ele irá aposentar ou não, nem ele tem essa decisão. Então é algo que não discuto", concluiu. 

Comentários