ECONOMIA ▸ AUMENTO

Preço da gasolina e do etanol sobe até 34% no ano e já começa 2022 em alta

O mato-grossense começou 2021 pagando, em média, R$ 3,20 no etanol e R$ 4,60 na gasolina, mas chegou ao final desembolsando cerca de R$ 5 e mais de R$ 6,60 para esses dois combustíveis, respectivamente. De janeiro a dezembro, o preço médio pago pelo litro subiu 31% da gasolina comum, e de 34% no etanol. A variação dos combustíveis ficou bem acima da inflação medida pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), que no acumulado do ano fechou em 10,06%, segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

O economista e professor da Unemat, Feliciano Azuaga, explica ao  que a alta se deu pela demanda aquecida no mercado internacional e que o início de 2022 ainda deve se manter com preços salgados, após a Petrobras anunciar aumento o valor pago das gasolinas às distribuidoras e um cenário internacional instável na produção de petróleo.  

Os dados da ANP apontam que novembro de 2021 foi o mês mais caro desses dois combustíveis. Em todos os seis municípios pesquisados, o aumento chegou a cerca de 50 centavos em relação a outubro. Alta Floresta chegou, inclusive, a ter o item mais do caro do país, pagando R$ 5,697 pelo litro do etanol, e R$ 7,227 da gasolina. Nos demais municípios do interior, o valor chegou a mais de R$ 5.

De forma geral, o mato-grossense que mora no interior do Estado pagou mais caro pelo combustível em 2021. Contudo, por conta da falta de coletas dos valores no início do ano passado em algumas dessas cidades, a variação apresenta um valor inferior a 20% nessas cidades. A principal consequência é que o resultado pode estar subestimado.

Já o cuiabano chegou ao final do ano pagando um preço médio por litro do etanol de R$ 4,711, e R$ 6,584 na gasolina. Enquanto em Várzea Grande, a cifra chegou a R$ 4,640, e de R$ 6,47, respectivamente. A variação percentual em relação ao mês de janeiro é de aproximadamente 30% em todos os cenários. Os números dos preços são do levantamento semanal feito pela Agência Nacional do Petróleo (ANP), em postos de combustíveis, em seis municípios de Mato Grosso.

Comentários