POLÍCIA ▸ SEM VINGANÇA

Policiais do Bope diz que atua em situações reais de ameaças e crimes em todo estado

Após vídeo que circulou nas redes sociais, em que membros de um grupo chamado “Tropa do Fazendeiro” ameaçam matar policiais, o Batalhão de Operações Especiais (Bope) afirma que não apreendeu nenhum celular dos suspeitos mortos em confronto na noite de quarta-feira (5), no bairro Altos da Serra.

As imagens mostram um celular sendo filmado, com o grupo do WhatsApp aberto. “Gurizada vamos começar a matá (sic) policia na rua pq se n todo dia vai ser assim morrendo gurizada”, diz trecho de uma das mensagens, encaminhada por um número com DDD 47.

As ameaças seriam decorrentes da ação do Bope no bairro, que resultou na morte de duas pessoas. O celular gravado seria do celular de um dos mortos no confronto.

Contudo, por meio de nota, o Bope informa que os policiais envolvidos na ação não apreenderam nenhum celular no local ou em posse dos suspeitos mortos. Ou seja, não tiveram acesso aos textos e áudios que vazaram.

Em seguida, a nota relata que a Polícia Militar tomou conhecimento das ameaças veiculadas nos áudios. Porém, diz que a instituição não atua “por vingança ou revanche, mas em situações reais de ameaça e crimes que colocam em perigo a população”, diz trecho.

Confronto e morte

Como já noticiado pelo , Bope fazia rondas pelo bairro Altos da Serra, em uma região já conhecida pelo tráfico, quando as viaturas foram alvos de tiros. Os policiais identificaram o local de onde os disparos foram feitos e cercaram o local.

Três suspeitos conseguiram fugir e outros dois não obedeceram as ordens, revidaram ameaças e acabaram baleados. Foram socorridos, mas não resistiram e morreram na Policlínica do Planalto. Um dos mortos é Maycon Luiz Santana, 21 anos e Abner Pinheiro, 17.

Na casa em que eles estavam, a polícia apreendeu 2 barras grandes de maconha. Eles acreditam que o local era ponto de distribuição da droga, já que não tinha características de ser uma boca de fumo. O caso é investigado.

Veja a nota na íntegra

Ameaças em redes sociais

O Batalhão de Operações Especiais (Bope) da Polícia Militar informa que não apreendeu nenhum celular no local ou com os suspeitos mortos no confronto da noite de ontem(05), no bairro Altos da Serra, em Cuiabá. Portanto, não teve acesso a textos e áudios com ameaças a policiais militares, como veiculou na imprensa.
 

A Polícia Militar informa que tomou conhecimento, sim, via redes sociais (Whatsapp), de áudios e textos com tom ameaçador direcionados a policiais militares de Mato Grosso.
 

Todavia, a instituição militar estadual, como remota sua trajetória de 185 anos em defesa da sociedade mato-grossense, destaca que não atua por vingança ou revanche, mas em situações reais de ameaça e de crimes que colocam em perigo a população, cidadãos e cidadãs de bem.
 

É nesse contexto de atuação em defesa da vida e da segurança pública que também estão os policiais militares, pais e mães de família que saem às ruas para trabalhar e que também precisam se resguardar nas situações de ameaças e confrontos reais impostos pelo exercício da profissão.
 

Polícia Militar do Estado de Mato Grosso
Coordenadoria de Comunicação Social e Marketing Institucional

Comentários