POLÍCIA ▸ MONSTRO

Pai é preso suspeito de matar filho de 1 ano asfixiado com as mãos em Mato Grosso

Um pai, de 22 anos, que não foi identificado, foi preso na manhã de ontem (20) suspeito de ter matado o filho João Felipe Salvaterra de Jesus, de um 1 ano e oito meses, asfixiado em Primavera do Leste (a 234 km de Cuiabá).

Os policiais foram acionados pela equipe da UPA da cidade, após a criança chegar morta na unidade de saúde. Em depoimento, homem disse que o filho morreu por ter enrolado o pescoço em um fio de carregador, mas o laudo de necropsia aponta que o bebê foi asfixiado com as mãos. Ao final do interrogatório, o homem teria confessado que cometeu o crime à polícia.

 Conforme informações da Polícia Civil, os pais da criança chegaram a alegar que ele havia, de alguma forma, enrolado o cabo de carregador de celular no próprio pescoço e se asfixiado. Entretanto, informações preliminares apontam que o homem teria cometido o crime após se irritar com o choro da criança.

À polícia o casal disse que só percebeu a situação quando acordaram para levar a criança para a creche. Homem disse que desenrolou o fio do pescoço do menino, mas relatou que ele já estava roxo, sem respiração e sem pulso. O suspeito então teria tentado começar a reanimar a criança, que já estava morta. Eles chegaram na UPA por volta de 6h50 e a morte foi confirmada pela equipe médica.

Não haviam sinais aparentes de agressão no bebê, apenas pequenas marcas no pescoço. Segundo a Polícia Civil, os pais e a criança moravam em uma quitinete, sendo que o berço da vítima ficava no quarto do casal. Após necropsia realizada em Rondonópolis ( a 218 km de Cuiabá), entretanto, foi identificado que o menino tem marcas compatíveis com as de ter sido asfixiado com as mãos. Além disso, apresentava lesões internas na boca e na cabeça.  

O pai da criança foi conduzido e interrogado pelo delegado plantonista e autuado em flagrante por homicídio qualificado. Em seguida, foi encaminhado para a Cadeia Pública de Primavera do Leste. A Polícia Civil está investigando o caso.

Comentários