POLÍTICA ▸ ELEITORAL

Não é contar com defunto antes da morte, mas cassação é irreversível, diz Janaína Riva

A deputada estadual Janaina Riva (MDB) acredita que a senadora Selma Arruda, que está trocando o PSL pelo Podemos, dificilmente conseguirá reverter a cassação por caixa 2 e abuso do poder econômico nas eleições de 2018. Cassada por unanimidade pelo Tribunal Regional Eleitoral (TRE), aguarda julgamento de recurso no Tribunal Superior Eleitoral (TSE), o que deve ocorrer ainda em outubro.

“Entre nós, a gente não acredita que essa situação vá ser revertida. Pela experiência política que nós temos, de reverter uma decisão que é de unanimidade, pelo menos a gente nunca viu isso em nível de Brasil. Não é contar com defunto antes da morte, mas a gente acredita que é uma situação irreversível”, declarou Janaína.

“Não é contar com defunto antes da morte, mas a gente acredita que é uma situação irreversível”
Embora evite comemorar a cassação, Janaina lembra que Selma é uma mulher no Senado que sequer acredita em feminicídio. Reclama ainda que a senadora não atende prefeitos, vereadores nem os demais representantes da classe política como os colegas de bancada Wellington Fagundes (PL) e Jayme Campos (DEM).  

“Eu acho que  Selma não tem proximidade com prefeitos, não tem proximidade com vereador. A maioria das reuniões que a gente vê dos senadores tem sempre Jayme, Wellington, mas falta alguma coisa.  Então, eu acho que nós precisamos de um candidato que tenha essa representatividade, essa afinidade. A gente tem uma senadora mulher  que fala que feminicídio não existe, essa situação não pode existir”,  completou.

 Ontem (16), Janaina defendeu uma candidatura suprapartidária da Assembleia, em consenso entre os deputados estaduais,  justamente para eleger um senador que contemple a classe política. Os cotados são o presidente Eduardo Botelho (DEM), Max Russi (PSB) e Dilmar Dal Bosco (DEM).

Comentários