ECONOMIA ▸ ALTA

Mato Grosso mantém alíquota do ICMS há 12 anos e culpa Petrobrás pelo aumento do gás

O Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) para o gás de cozinha de uso doméstico praticado em Mato Grosso é o mesmo há onze anos. A tributação cobrada no Estado é de 12% desde 2010.

O secretário de Estado de Fazenda, Rogério Gallo, explicou que os reajustes são fruto da política de preços posta em prática pela Petrobrás, que mantém o Brasil refém das variações dos valores das commodities no cenário internacional.


“Neste último aumento, agora em setembro, as responsáveis foram as distribuidoras. Mas esse já é o sétimo reajuste no valor do gás de cozinha. É preciso urgentemente, que a Petrobras mude essa política, pois o consumidor já não consegue mais arcar com essas despesas básicas”, afirmou Gallo.

No acumulado do ano, os reajustes do gás de cozinha já somam alta total de 47,7%.

A composição do preço do gás de cozinha no Estado é de 12% do ICMS; 38,7% é o índice da revenda e lucro pelas distribuidoras; e 49,3% é o valor cobrado pela Petrobrás.

Além de Mato Grosso, também mantêm alíquota de 12% do ICMS, os Estados do Amapá, Bahia, Goiás, Rondônia, Rio Grande do Sul, Sergipe, Tocantins e o Distrito Federal.

Os Estados com o ICMS mais caro são Alagoas, Amazonas, Ceará, Minas Gerais, Paraíba, Pernambuco, Piauí e Rio Grande do Norte, com 18%.

Comentários