CIDADES ▸ DADOS

Mais de 60 mil adolescentes se tornam mães entre 2014 a 2019 em Mato Grosso

Mais de 60 mil adolescentes se tornaram mães entre os anos de 2014 e 2019 em Mato Grosso. Segundo dados da Secretaria de Estado de Saúde de Mato Grosso (SES-MT), foram cerca de 10 mil adolescentes e jovens, com idades entre 10 a 19 anos, que ficaram grávidas a cada ano durante esse período.

De acordo com a SES-MT, mais de 9,1 mil adolescentes e jovens tiveram filhos em 2019. O número do ano passado ainda é parcial.

Em 2018 foram 9,5 mil, seguido de 9,9 mil em 2017, 10 mil em 2016 e 11 mil em 2015 e 2014.

A taxa é maior para mães com idades entre 15 a 19 anos. As adolescentes e jovens grávidas representaram 16% dos nascimentos em 2019. O número chegou a 20% em 2014.

Para Maria José Pinheiro, servidora técnica da SES-MT, sozinho, o governo não tem 'pernas' suficientes para atuar na prevenção da gravidez na adolescência.

“Isso é um trabalho conjunto com outras áreas, principalmente na educação”, disse em entrevista ao G1.

Em 2019 a secretaria fez uma campanha visitando 216 escolas no estado dando palestras de orientações aos alunos, entre outras ações.

Cerca de 50 mil estudantes participaram das ações. As palestras tinham diversos temas, como atividade sexual reprodutiva e sexualidade, uso de preservativos e contraceptivos por meio de pílulas. As atividades focaram em alunos de idade entre 10 e 19 anos.

“Todas as unidades de saúde e profissionais estão capacitados em atender adolescentes. As unidades encontram com preservativos e contraceptivos gratuitos e de livre acesso para quem quiser adquirir”, completou.

Para este ano, o projeto da pasta é visitar os 16 escritórios regionais no estado e convidar todas os postos de saúde para estruturar e começar ações em todos os ciclos de vida, inclusive a gravidez na adolescência.

A servidora diz que o processo para diminuir os casos leva tempo e deve ser trabalhado também e essencialmente nas famílias.

“Os adolescentes devem ter autocuidado com o corpo. Esse aprendizado não é só papel da saúde pública. O autocuidado, projetos de vida, acompanhamento familiar, métodos contraceptivos, companheiros sexuais, devem ser temas tratados com os adolescentes”, afirmou.

A maior parte das mães adolescentes está concentrada na região da Baixada Cuiabana. Foram cerca de 2 a 3 mil mães, a cada ano, que tiveram filhos na Baixada Cuiabana entre os anos de 2014 e 2019.

A segunda região que concentra mais mães adolescentes é Rondonópolis, a 218 km de Cuiabá. O número de grávidas desse grupo variou entre 1,3 a 1,7 mil no período. A terceira região com mais mães adolescentes é Sinop, a 503 km de Cuiabá, com 1,3 mil a 1,4 mil jovens grávidas.

Campanha nacional

No Brasil, cerca de 930 adolescentes e jovens dão à luz todos os dias, totalizando mais de 434,5 mil mães adolescentes por ano. Este número já foi maior e agora está em queda.

Ainda assim, o Brasil registra uma das maiores taxas se comparado aos países da América Latina e Caribe, chegando a 68,4 nascidos vivos para cada mil adolescentes e jovens.

Para reduzir ainda mais estes casos, o Ministério da Saúde lançou na semana passada uma campanha para prevenir a gravidez precoce: “Tudo tem seu tempo: Adolescência primeiro, gravidez depois”.

Comentários