POLÍTICA ▸ R$ 6 BILHÕES

Irritado em TV, deputado de Mato Grosso diz ter sido obrigado a votar Fundão

O deputado federal Nelson Barbudo (PSL) protagonizou um desentendimento com o âncora do Jornal do Meio-dia, Lúcio Sorge, durante entrevista na tarde desta terça-feira (20). A confusão começou após o parlamentar ser questionado sobre a aprovação do projeto da Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO) para 2022, que incluiu a ampliação do fundo eleitoral para R$ 5,7 bilhões.

“Enquanto a população que não tem dinheiro para colocar comida na mesa entra na fila do ossinho, lá em Brasília os deputados aprovam um fundo eleitoral de quase R$ 6 bilhões. Parece que lá é a ilha da fantasia, é isso?” questionou Sorge.

Nesse momento, Barbudo rebateu afirmando que o apresentador estava tentando colocar o eleitorado contra ele. “Me espanta essa pergunta que o senhor com a idade que tem. O senhor devia saber que lá é a ilha da fantasia. Meus eleitores sabem que estou lá diferente da maioria das pessoas e a sua maneira de colocar a pergunta é muito inteligente de colocar o leitorado contra mim”, disse o deputado.

Em seguida, Lucio negou que tivesse a intenção e voltou a questionar se aprovaram ou não o fundo eleitoral. “É melhor discutir o que se aprovou lá do que discutir a pergunta”, indagou o âncora.

O deputado rebateu novamente alterando o tom de voz. “Eu votei a LDO da maneira que o senhor colocou. Está falando que sou favorável ao aumento e eu não sou. Então, nós temos que ser justos e dar nome aos bois. Na votação do LDO, foi colocado um jabuti pelo senhor deputado federal Juscelino Filho (DEM). Ele não deveria ter colocado a votação do Fundo Partidário junto com a LDO e malandramente colocou e isso nos obrigou a votar a LDO”, argumentou.

O deputado continuou tentando explicar que o Partido Novo chegou a propor um destaque para retirada do projeto, mas a proposta foi rejeitada. “Marcelo Ramos presidindo atropelou o Orçamento e não nos deu a chance de retirar para votar nominalmente. Então Lúcio, eu vou te corrigir. Eu votei a LDO”, acrescentou Barbudo.


Ao ser questionado se houve um jogo combinado entre o palácio Planalto e o Centrão, um conjunto de partidos que possui proximidade com o Executivo, o deputado interrompeu os apresentadores e voltou a se alterar.  “Para, para, para. Quem colocou a matéria foi o Juscelino Filho que é o presidente da Comissão Mista de Orçamento. O palácio não estava lá na comissão, Bolsonaro estava hospitalizado e eu estava em Cuiabá. Votei remotamente porque a lei nos permite. A única coisa que garanto é que fomos obrigados a votar a LDO e no meio dela tinha um jabuti”, finalizou o parlamentar.

Comentários