POLÍTICA ▸ DIVERGÊNCIAS

Governador Mauro Mendes critica prefeito e diz que flexibilização pode matar muitos cuiabanos

As divergências entre o prefeito de Cuiabá, Emanuel Pinheiro (MDB), e o governador Mauro Mendes (DEM) não dão trégua. Logo após o anúncio das medidas de contenção ao avanço da Covid-19 na Capital, nesta terça-feira (2), o Estado emitiu nota criticando a flexibilização adotada pelo Município. Na avaliação de Mendes, a decisão do emedebista é equivocada “mostrando total despreparo e irresponsabilidade, o que poderá provocar a morte de muitos cuiabanos”.

Na segunda-feira (1), o Estado publicou decreto endurecendo as medidas restritivas de combate a pandemia. A circulação de pessoas foi limitada às 21h e o comércio só pode funcionar até às 19h. Quem descumprir as regras pode ser multado em R$ 180.
Em live, na tarde de hoje, Pinheiro descartou lockdown e disse que não irá seguir o decreto estadual. Ele ainda pontuou que decisão judicial do Supremo Tribunal Federal (STF) determinou que o Estado pode orientar as medidas a serem tomadas, mas são os prefeitos que decidem o que será implementado de acordo com a realidade de cada cidade.
“O Governo de Mato Grosso lamenta a forma como a Prefeitura de Cuiabá politiza e trata a situação da Covid-19. Hoje, Mato Grosso tem 88% das vagas de UTIs no Estado ocupadas e alcançou a marca de 253.783 casos e 5.864 óbitos”, diz trecho da nota divulgada no início da noite.
No texto, o governador ainda pondera que no início da pandemia, quando ainda eram poucos os casos da doença, o prefeito quis fechar todo o comércio. Agora, quando o número de contaminados atinge os milhares, ele flexibilizou as regras.
Na live, o prefeito justificou que o fechamento total era recomendado quando não se sabia ao certo como proceder diante dos casos, no início da pandemia. Agora “até as crianças” sabem como se proteger” e cada um tem que fazer sua parte mantendo o distanciamento social e a higiene.
“Infelizmente, o prefeito continua cometendo erros, mostrando total despreparo e irresponsabilidade, o que poderá provocar a morte de muitos cuiabanos. Caberá ao Ministério Público e ao Judiciário decidir o que deverá prevalecer na cidade de Cuiabá”, diz trecho do comunicado.


Confira nota na íntegra
O Governo de Mato Grosso lamenta a forma como a Prefeitura de Cuiabá politiza e trata a situação da Covid-19.

Hoje, Mato Grosso tem 88% das vagas de UTIs no Estado ocupadas e alcançou a marca de 253.783 casos e 5.864 óbitos.

Quando Cuiabá registrou o primeiro caso de coronavírus, há exato um ano, a decisão da Prefeitura de Cuiabá foi de fechar tudo e instaurar um lockdown total no município. Agora, com um cenário crítico, a decisão foi flexibilizar.

Infelizmente, o prefeito continua cometendo erros, mostrando total despreparo e irresponsabilidade, o que poderá provocar a morte de muitos cuiabanos.

Caberá ao Ministério Público e ao Judiciário decidir o que deverá prevalecer na cidade de Cuiabá.

Comentários