ECONOMIA ▸ AGRO

Faturamento da agropecuária brasileira deve alcançar recorde de R$ 703,8 bi em 2020, diz ministério

O Valor Bruto da Produção Agropecuária (VBP, faturamento) do Brasil deve alcançar R$ 703,8 bilhões neste ano, uma alta de 8,5% no comparativo anual e um recorde para a série histórica iniciada em 1989, conforme estimativa do Ministério da Agricultura (Mapa) atualizada neste segunda-feira (15).

Na variação mensal, a projeção representa um leve avanço de 0,97% em relação aos R$ 697 bilhões estimados pela pasta em maio.

O valor de produção para as lavouras aumentou de R$ 462 bilhões na estimativa do mês anterior para R$ 469,8 bilhões, alta de 11% na comparação anual. A pecuária se manteve na casa de R$ 234 bilhões, aumento de 3,9% ante 2019.

"A safra recorde de grãos estimada em 250,5 milhões de toneladas, os preços agrícolas e o desempenho favorável de algumas lavouras, como o café e a cana-de-açúcar, foram decisivos nos valores obtidos do VBP", disse em nota o coordenador-geral da Secretaria de Política Agrícola do ministério, José Garcia Gasques.
A pasta destacou, com base em informações da Companhia Nacional de Abastecimento (Conab), que a valorização do dólar em relação ao real colocou os preços domésticos das commodities agrícolas em patamares elevados.

Os preços do milho (+19,7%), soja (+11,8%) e do café arábica (+20,4%) avançaram na variação anual. Somados, os três produtos -- incluindo café robusta -- representam 57,8% do VBP das lavouras.


A pasta ainda citou o recorde nas exportações da oleaginosa acumuladas entre janeiro e maio, de 48 milhões de toneladas.

"O mercado internacional tem refletido também na pecuária, cujos preços de carnes bovina e suína têm tido elevação em relação ao ano passado", afirmou a pasta sobre o mercado de proteína animal.
Os dados regionais do VBP mostram, como em relatórios anteriores, a liderança do Centro-Oeste, com R$ 222,19 bilhões, seguido pela região Sudeste com R$ 174,9 bilhões, Sul (R$ 167,7 bilhões), Nordeste (R$ 67,2 bilhões) e Norte (R$ 44,6 bilhões).

Comentários