POLÍTICA ▸ CUTUCADA

Ex-deputado Fabio Garcia diz que Gestão se faz com menos conversa fiada e mais ações

Os constantes elogios do senador Jayme Campos e do ex-governador Júlio Campos, ambos do DEM, ao prefeito de Cuiabá Emanuel Pinheiro, têm obrigado o grupo político do governador Mauro Mendes, principal liderança do DEM de Mato Grosso, a mudar a estratégia diante do cenário cada vez mais conformista em relação ao projeto de reeleição do prefeito da Capital.

Fábio Garcia, presidente  do DEM de Mato Grosso, e que atualmente é suplente de senador, passou a frequentar os importantes eventos da agenda oficial do governador, como a reinauguração do ginásio poliesportivo Fiotão, em Várzea Grande, na semana passada e no lançamento da campanha “Outubro Rosa”, nessa segunda-feira (30).


Além disso, Garcia voltou a ter Cuiabá como base, já que vinha passando a maior parte do tempo em Rondonópolis, gerindo negócios familiares.

“Eu, particularmente, descarto qualquer hipótese de aliança entre o Democratas e o Emanuel Pinheiro. Essa é minha posição cristalina desde o início e acredito que também seja a da Executiva de Cuiabá”, declarou

Questionado sobre a “simpatia” e  os elogios que os Campos têm feito a Pinheiro e a defesa deles a uma possível aliança com o projeto do prefeito, Fábio enfatizou:

“Sobre a gestão Emanuel Pinheiro em Cuiabá, temos visões absolutamente distintas. Eu não acredito que ele faz uma boa gestão. Uma boa gestão se faz com menos conversa fiada e mais ações concretas, estruturantes para Cuiabá e eu não consigo enxergar isso nessa administração”, reforçou Garcia.

O grupo político do governador já está precavido. Caso haja um racha, ou seja, a decisão tenha que ser definida no voto internamente no DEM municipal, a atual formação da executiva da sigla tem oito dos 15 votos possíveis e, com isso, evitaria a composição DEM/MDB.

Os nomes mais cotados para encabeçar uma possível candidatura a prefeito, nesse grupo do governador, são: Fábio Garcia, Gilberto Figueiredo (secretário de Saúde de Mato Grosso) e Mauro Carvalho ( chefe da Casa Civil), este última ainda não é filiado  ao DEM.

Comentários