POLÍCIA ▸ CASO MARIA VITÓRIA

Delegado apura responsabilidade do Conselho Tutelar sobre guarda dada aos tios em Poconé

O delegado da Polícia Civil de Poconé (104 km de Cuiabá), Maurício Maciel Pereira, irá apurar a responsabilidade do Conselho Tutelar no caso da pequena Maria Vitória Lopes dos Santos, de 2 anos, morta após ser estuprada e torturada pelos tios, que tinham a guarda dela. Segundo ele, não há registros e nem mesmo indícios que comprovem que a menina tenha sofrido maus-tratos e até mesmo abuso sexual por parte do pai biológico.

De acordo com ele, o Conselho Tutelar agiu dentro do que era necessário, porém, não há denúncias anteriores que levem a crer que a criança sofria maus-tratos por parte dos pais biológicos.

“Não há nada nesse sentido (de abuso sexual). Não tem nem indicativo, nem boletim de ocorrência na delegacia. Será feita uma apuração sobre o caso. Será observado o que houve ou não. Eu não tenho como dizer o que eu acho ou deixo de achar. Mas o Conselho Tutelar agiu inicialmente dentro do que era necessário”, disse ao HNT.

O delegado disse ainda que não irá mais entrar em detalhes sobre o caso, que já foi enviado ao Ministério Público.

Ainda de acordo com ele, a princípio os tios podem responder por tortura seguida de morte, homicídio qualificado e estupro de vulnerável.

Guarda

Há cerca de cinco meses a guarda provisória de Maria Vitória foi passada para o tio paterno e a esposa dele. O casal estava morando em um sítio com a criança, na região rural de Poconé.

As primeiras informações apontavam que a menina havia sofrido maus-tratos por parte dos pais biológicos e, por isso, eles haviam perdido a guarda da criança.

Uma equipe do Conselho Tutelar do município, que estava acompanhando a situação, procurou a delegacia depois que a criança foi levada a uma unidade de pronto-atendimento da cidade pela tia com diversas lesões.

A prisão

O casal foi preso em flagrante em 4 de novembro, no dia que a menina deu entrada no pronto-atendimento, após serem intimados a comparecer à delegacia.

A mulher relatou que encontrou a criança desacordada ao lado da cama. Por volta das 6h30 do dia, ela deu banho na menina e a levou para UPA, onde a menor foi entubada.

Um laudo médico apontou que a criança tinha fraturas cranianas, estado não compatível com a situação descrita pela sua responsável legal, que a levou ao hospital. Além disso, ela apresentava lesões por maus-tratos, abuso sexual, traumatismo craniano grave e suspeita de morte encefálica.

Comentários