POLÍTICA ▸ CORONAVÍRUS

Com UTIs lotadas, Mendes convoca prefeitos para discutir quarentena em todo Estado de MT

Diante do avanço da Covid-19 e aumento da taxa de ocupação dos leitos de Unidade de Tratamento Intensivo (UTI) de pacientes infectados pela doença, que já chegou aos 80%, o governador Mauro Mendes (DEM) vai se reunir com representantes dos Poderes, instituições e com os prefeitos dos 141 municípios Mato Grosso, via videoconferência, para alinhar novas medidas contra a covid-19 na próxima segunda-feira (1º de março)

As reuniões ocorrerão na parte da manhã visam a definição de diretrizes para frear o avanço da pandemia no Estado. A tendência é que o governador tente entrar num consenso com os demais gestores e chefes de poderes para a decretação de uma "querentena" em todo o Estado.

"É uma situação que está me deixando muito preocupado e temos que tomar uma decisão diferente do que temos feito nos últimos meses. Lamentavelmente a pandemia está crescendo. O Governo abriu muitas UTIs nas últimas semanas, mas estamos no limite da capacidade de abrir UTI. Não há profissionais, não se consegue mais médicos e o aparato necessário para abrir UTI", relatou Mauro Mendes em áudio encaminhado aos prefeitos ainda na noite desta sexta-feira (26). 

A primeira reunião ocorrerá a partir das 8h30, e contará com a participação de secretários de Estado, representantes do Tribunal de Justiça, Assembleia Legislativa, Tribunal de Contas, Ministério Público, Defensoria Pública e demais instituições. 


Já a segunda reunião, prevista para 11h30, será com a Associação Mato-grossense dos Municípios (AMM) e com os prefeitos dos 141 municípios. 

De acordo com Mauro Mendes, a capacidade de atendimento nas UTIs públicas e privadas em Mato Grosso já está se esgotando, realidade que já tem assolado vários outros estados. 

Desta forma, segundo o gestor, é preciso que as lideranças públicas estaduais unam esforços para diminuir o contágio. 

"A taxa de ocupação chegou a 80% e todo mundo está levando a vida como se nada estivesse acontecendo. Não podemos ter aglomerações. Termos que tomar medidas um pouco mais severas", adiantou.

Comentários