ECONOMIA ▸ CULINÁRIA

Com gosto de sábado, feijoada ajuda a movimentar mais de R$ 40 bilhões no campo

A feijoada é um prático típico do Brasil, e são poucos aqueles não gostam ou que não provaram essa mistura de feijão preto com partes do porco – com uma pitada de carne bovina.

Esse prato junta duas cadeias importantes do nosso agronegócio: a criação de suínos e a lavoura de feijão, que movimentaram mais de R$ 40 bilhões em 2020.

Nos dois casos, a produção se concentra no Sul. Na carne de porco, Santa Catarina, Paraná e Rio Grande do Sul lideram os números no país. Já o feijão preto vem, na maior parte, dos agricultores paranaenses, muito à frente dos gaúchos e catarinenses no top 3.

E, mesmo com números expressivos no campo, os dois setores buscam aumentar o consumo desses alimentos no país. A carne suína é apenas a terceira mais comprada, já os agricultores observam as pessoas comendo menos feijão ano após ano, além da dependência da Argentina (leia mais abaixo).

Gosto de folga
O chef Marcelo Bastos é dono de um dos restaurantes de comida brasileira mais famosos na cidade de São Paulo, o Jiquitaia. Ele conta que a inspiração partiu dos avós, que também eram cozinheiros.

“Meus avós por parte de mãe tinham um restaurante popular, e tinha muito de cozinha brasileira e queria resgatar um pouco dessa cozinha deles, comida de vó. O Jiquitaia partiu dessa cozinha tradicional e a busca por outras comidas tradicionais”, diz.

Comentários