POLÍCIA ▸ MAGRÃO E ALERQUINA

Casal assassinado postava fotos de arma, droga e fazia alusão ao Comando Vermelho

A Polícia Civil de Barra do Garças (650 km de Cuiabá) abriu um inquérito policial (IP) para investigar as mortes de Marília Eduarda Gonçalves, 19 anos, e Marcos Otávio da Cruz Melo, 20 anos. O casal possuía diversas passagens criminais e faziam várias postagens no Facebook fazendo apologia ao crime. Em uma delas, o homem publicou uma foto fazendo um gesto da sigla “C.V” que é as iniciais da facção criminosa Comando Vermelho (CVMT). Até a publicação da matéria, ninguém havia sido preso pelo crime.

Marcos e Marília eram namorados. Eles foram encontrados mortos, em um matagal, no km 24 da BR-070, em Barra do Garças, na última segunda-feira (15). Os corpos das vítimas tinham ferimentos na cabeça. Eles estavam desaparecidos desde o dia 9 de fevereiro. 

Marcos registrou sua conta no Facebook como “Magrão x Arlequina”. Os nomes fazem referência a ele e a namorada, respectivamente. Na rede social, ele publicava diversos posts fazendo apologia ao crime. Entre as publicações, é possível ver o homem com cigarro que assemelha à maconha e fotos de armas.

Em outra imagem, a vítima postou uma foto de um dichavador (objeto utilizado para triturar a maconha) e fazendo um gesto da sigla “C.V.”. Diante disso, a Polícia Civil tenta descobrir se o casal pertencia ao Comando Vermelho.

Por sua vez, a rede social de Marília está registrada como “Alerquina x Magrão”. Ela também fazia postagens com cigarros que pareciam ser de maconha e fotos de armas.

Passagens criminais

De acordo com a Polícia Civil, Marcos possuía passagens criminais pelos crimes de tráfico de drogas, associação criminosa e associação ao tráfico. Ele era monitorado por tornozeleira eletrônica. No entanto, quando o corpo da vítima foi localizado, o aparelho não foi encontrado. A suspeita é de que ele teria rompido o dispositivo.

Comentários