POLÍTICA ▸ CASA DOS HORRORES

Após desafio em plenário, Vereador Juca parte para cima de Abílio no gabinete da Presidência

O vereador Juca do Guaraná Filho (Avante) desafiou o vereador Abílio Júnior (PSC) a realizar um teste de demência mental, e ainda propôs que caso o exame garanta que o parlamentar possui sanidade, ele, que ocupa a vice-liderança do prefeito Emanuel Pinheiro (MDB), irá renunciar ao mandato. A provocação foi feita durante sessão ordinária desta manhã (16) e acabou em confusão que continuou na sala da Presidência, onde Abilio revidou Juca e o desafiou a fazer um exame toxicológico. Juca partiu pra cima de Abilio e o empurrou. Demais vereadores que participavam da reunião tiveram que apartar os colegas. 

O caso foi abafado pelos parlamentares, que evitaram comentar a situação vexatória com a imprensa, para não ocorrer em risco de quebra de decoro parlamentar e, com isso, ficarem sob o risco de realmente perderem o mandato. 

Apesar da briga, a sessão ordinária que havia sido suspensa de manhã em razão da discussão entre os parlamentares que começou em plenária, foi retomada no começo desta tarde, dessa vez com os vereadores com ânimos pacificados. 

Juca do Guaraná reafirmou ao  que caso seja compravada a sanidade mental de Abilio, renunciará ao cargo. “E se for comprovado que é doente, quero que ele receba tratamento”. O parlamentar aponta que a postura de Abílio tem sido desproporcional ao cargo de vereador, e que a forma raivosa e desmedida como vem atuando contra o prefeito e os colegas da base, demonstram “desequilíbrio”.

Abílio tem sido lembrado por manifestações raivosas e atitudes indecorosas em eventos públicos, como na inauguração do Novo Hospital Municipal de Cuiabá, situação que, inclusive, gerou reprovação da alta cúpula da Igreja Assembleia de Deus, da qual o vereador é membo. Há dois meses, Abilio foi acusado de tentar invandir a casa do prefeito Emanuel, e após discussão com um motorista da primeira-dama Márcia Pinheiro, foi levado à delegacia e teve B.O registrado contra ele - o caso foi arquivado.

A sessão ordinária nesta manhã contou com presença dos servidores da saúde municipal que foram até ao Legislativo para manifestar contra os vereadores, entre os quais Abílio, que requereram junto ao Tribunal de Contas do Estado pelo fim do Prêmio Saúde.

Durante a sessão, Abílio foi rechaçado pelos colegas, principalmente, porque atacou os servidores que se utilizaram da tribuna para defender o direito da categoria. O vereador também foi vaiado pelos servidores enquanto concedia entrevista no rol de entrada da Câmara.

Comentários