MP aponta indícios de fraude em recuperação de gigante do agro com dívidas de R$ 648,5 mi
Fonte: Da Redação 14/05/2024 ás 12:04:51 802 visualizações

O Ministério Público de Mato Grosso (MPMT) apontou indícios de fraude na recuperação judicial da AFG Brasil S/A, atuante desde 2002 na comercialização de grãos. A empresa, que tenta negociar passivo de R$ 648,5 milhões, teve o plano de soerguimento deferido em 2022 e, desde então, não cumpriu com o pacto. Além do MP, credores da companhia também ratificaram as suspeitas. 

Na semana passada, a Anglopar Agro Ltda. levantou suspeitas acerca de uma transação firmada pela AFG às vésperas do pedido de recuperação. Na ocasião, transação com a Innovatus Trutured Trade Finance deu origem a empréstimo de U$ 17 milhões cuja garantia foi uma propriedade localizada em Pontes e Lacerda (444 km de Cuiabá), a Fazenda São Paulo, considerada um dos principais ativos da recuperanda. 

Diante das obrigações não quitadas, a dívida da AFG com a Innovatus saltou para U$ 40 milhões. Segundo a Anglopar, a majoração fará com que a recuperação judicial tenha servido somente à satisfação do crédito preferencial, isto é, a dívida com a Innovatus. 

O prejuízo aos demais credores também foi questionado pelo MP em manifestação da mesma semana. De acordo com o promotor Marcelo Caetano Vecchio, diante do descumprimento do plano de RJ, a análise dos pedidos de convolação em falência foi adiada enquanto a AFG se comprometeu a negociar os débitos por intermédio de uma câmara de mediação. 

Ocorre que, até o momento, a única resolução das sessões de mediação foi o consenso entre a AFG e Innovatus para a avaliação e alienação da Fazenda São Paulo. A câmara também informou que as negociações estão suspensas até o leilão do imóvel. 

Além de ponderar sobre as inúmeras denúncias de fraudes encaminhadas ao Ministério Público pelos credores da AFG, em especial os credores colaboradores, o procurador Marcelo Caetano Vecchio asseverou que os atos envolvendo a alienação da Fazenda São Paulo não podem pautar a recuperação judicial. 

Enviar um comentário
Comentários
Mais notícias