Energisa deve atender 2.600 famílias no programa Luz para Todos em 2024
Fonte: Da Redação 24/04/2024 ás 21:43:45 1266 visualizações

Mais de 2.600 famílias devem receber energia elétrica, com a implantação de placas solares com o uso de baterias, que serão instaladas pela Energisa, em Mato Grosso. O sistema foi desenvolvido pela própria empresa, e atende regiões remotas, onde é praticamente impossível chegar com redes de distribuição convencionais, como por exemplo, postes e fios.

“Estamos implantando sistemas solares autônomos, com uso de bateria em áreas do Pantanal mato-grossense, Cerrado e Amazônia, uma solução limpa e sustentável. Isso é muito importante porque, evitando o uso dos geradores a combustão, estamos contribuindo com a redução de gás carbônico na atmosfera e ainda gerando economia, já que o uso do diesel e da gasolina são caros, se comparados a outras fontes de energia”, explicou o diretor técnico comercial da Energisa, Fabricio Medeiros.

O atendimento será realizado em parceria com o Governo Federal, por meio do Programa Luz para Todos, que, nesta etapa, abrange estados que fazem parte da Amazônia Legal e, até o momento, cerca de mil famílias já foram atendidas, em 19 municípios, sendo eles:

1.Barão do Melgaço

2.Barra do Garças

3.Brasnorte

4.Campinápolis

5.Comodoro

6.Juína

7.Novo São Joaquim

8.Poconé

9.Poxoréu

10.Primavera do Leste

11.Querência

12.Sapezal

13.Feliz Natal

14.Gaúcha do Norte

15.Marcelândia

16.Paranatinga

17.Querência

18.São Félix do Araguaia

19.São José Do Xingu

Meta

A meta principal do programa é atender famílias de baixa renda, pequenos produtores, quilombolas e comunidades indígenas. Além disso, a ação garante o trabalho de proteção do meio ambiente.

Na base do Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio), no Parque Nacional do Pantanal, foi instalado um dos sistemas fotovoltaicos, que substituiu o gerador movido a diesel, que era usado no local.

O Instituto é uma base para equipes que chegam na região para combater as queimadas, realizar pesquisas e fiscalizar possíveis irregularidades.


Enviar um comentário
Comentários
Mais notícias