Ataque israelense deixa dezenas de mortos em escola da ONU em Gaza
Fonte: Da Redação 06/06/2024 ás 23:36:25 818 visualizações

O Exército de Israel fez um ataque dentro de uma escola da ONU, na Faixa de Gaza. As Forças Armadas afirmaram que o objetivo era eliminar terroristas. O Hamas afirmou que 40 pessoas morreram.

Era madrugada quando caças israelenses atingiram o centro de ensino. As primeiras imagens são de caos. De acordo com a ONU, o complexo escolar serve de abrigo para 6 mil palestinos que achavam que lá estariam mais seguros.

O prédio fica na região central da Faixa de Gaza. Do lado de fora do único hospital ainda em funcionamento ali perto: corpos e desespero. A Ghalia disse que o filho mais novo morreu dentro de uma sala de aula. Uma menininha não conseguia acreditar no que via.

O Hamas disse que, entre os mortos, estão 14 crianças; 74 pessoas ficaram feridas. Deitado no chão de um hospital, com o rosto muito machucado, Imad contou que o pai morreu no ataque.

“O que fizemos? Por que nos bombardearam?”, perguntou.

A mãe, Samia, reforçou: “A escola está cheia de crianças, mulheres”.

O governo israelense afirmou que o objetivo do ataque era eliminar terroristas. De acordo com as Forças Armadas, os caças realizaram um ataque aéreo preciso, com base em informações da inteligência. O alvo eram três salas de aula onde, segundo o Exército, estavam escondidos de 20 a 30 terroristas.

Um porta-voz disse que o ataque só foi feito depois da inteligência israelense indicar que não havia nem mulheres nem crianças nas salas de aula. Daniel Hagari identificou alguns dos terroristas mortos. Ele acusou o Hamas de crimes de guerra por usar instalações da ONU. O Hamas negou que houvesse um posto de comando de terroristas no local.

O chefe da agência da ONU que dá assistência aos palestinos classificou como chocantes as alegações de que homens armados se esconderam dentro do abrigo. Mas disse que não tem como confirmar, e enfatizou:

“Ataques a estruturas das Nações Unidas são um flagrante desrespeito ao direito internacional humanitário”.

Enviar um comentário
Comentários
Mais notícias