POLÍTICA

GRANA DA CULTURA

09/01/2018 às 22:08:45 Enviar Imprimir
Secretário pagou R$ 660 mil à própria orquestra dias antes de deixar cargo; veja extrato

Em seus últimos atos antes de deixar o Governo, o ex-secretário de Cultura do Estado (SEC), Leandro Carvalho pagou R$ 660 mil à Orquestra de Mato Grosso, criada como associação civil, na qual aparece como diretor artístico. O montante foi repassado em duas parcelas que tiveram espaço de apenas uma semana entre uma e outra.

Dados do Sistema Integrado de Planejamento, Contabilidade e Finanças do Estado (Fiplan) mostram que o então secretário realizou os dois repasses nos dias 6 e 13 de dezembro passado poucos dias antes de deixar o comando da pasta, que comandou até o dia 22 de dezembro. Se somados os meses de março, abril e agosto, o valor chega a R$ 1,9 milhão.

Como já mostrou o , em janeiro do ano passado, Leandro Carvalho desrespeitou um decreto de contenção de gastos do governador Pedro Taques (PSDB) e repassou R$ 412 mil à Orquestra de Mato Grosso.

À época, o governador comentou que os secretários de Estado só deveriam manter os pagamentos dos serviços considerados essenciais das áreas de Segurança Pública, Educação e Saúde.

Apenas sob a regência do ex-secretário Leandro Carvalho, nos últimos três anos, os valores repassados à empresa que administra a orquestra ultrapassaram o montante de R$ 6,7 milhões.

Ex-secretário regente

Antes de assumir o comando da pasta, Leandro Carvalho era um dos principais nomes da orquestra, que em sua página online o apresenta como “um dos mais proeminentes maestros brasileiros da nova geração”, além de apontar como um dos dez artistas de maior importância na última década na música.

Leandro também é citado como “um dos fundadores da Orquestra do Estado de Mato Grosso e seu atual diretor artístico e regente principal”. 

Ainda em janeiro de 2017, a assessoria da Secretaria de Cultura informou que apesar de aparecer na apresentação online como diretor artístico da Orquestra, o então secretário era apenas regente voluntário, conforme determina a lei e por isso, não havia vínculo. 

Atualmente, a empresa é comada por Paulo Silveira da Silva e Paulo Cesar Ruhling.

Veja os dados:

Reprodução

 79d1a226-ceaa-44af-b956-b88bc14d0ecb.jpg


COMENTÁRIOS