MUNDO

PESQUISA

13/12/2016 às 21:42:26 Enviar Imprimir
Pesquisadores dos EUA encontram zika em cérebros de bebês após nascimento
Cientistas dos Estados Unidos encontraram evidências de que o vírus da zika pode continuar a se replicar no cérebro de bebês até sete meses após a infecção da mãe. Eles mostraram que o vírus pode continuar a agir mesmo após o nascimento dos bebês.

O estudo foi publicado pelos Centros de Controle e Prevenção de Doenças (CDC, sigla em inglês), órgão americano que acompanha e impulsiona pesquisas sobre o vírus. Foram testados tecidos de 52 pacientes. Destes, oito eram de crianças com microcefalia que morreram e 44 eram de mulheres suspeitas de terem sido infectadas pelo zika durante a gravidez.

O vírus da zika foi encontrado em todos os cérebros de bebês com microcefalia e em 24 das placentas de mulheres. O resultado sinaliza uma maior permanência do vírus em tecidos humanos.

"Nossos resultados mostram que o zika pode continuar a se replicar nos cérebros dos bebês, mesmo após o nascimento, e que o vírus pode persistir em placentas por meses - muito mais tempo do que esperávamos", disse em comunicado Julu Bhatnagar, chefe da equipe de patologia molecular em doenças infecciosas dos CDC.

Microcefalia após nascer

Outro estudo publicado no final de novembro, com contribuições de médicos e pesquisadores de Pernambuco, Goiás, Ceará e Estados Unidos, mostrou 13 casos de bebês infectados pelo vírus da zika que nasceram aparentemente saudáveis e depois desenvolveram a microcefalia.

Segundo o estudo, a desaceleração do crescimento da cabeça foi verificada a partir do 5º mês. Sete dos 13 bebês sofreram de epilepsia e "todos tinham problemas de motricidade similares aos de uma paralisia cerebral", acrescentou o estudo.



COMENTÁRIOS