POLÍTICA

ARQUIVADO

24/11/2017 às 11:16:32 Enviar Imprimir
Justiça Eleitoral julga improcedente pedido de cassação de prefeito em Poconé

A Justiça Eleitoral julgou improcedente o recurso eleitoral da candidata derrotada do município de Poconé, Meire Adauto (PSDB) que tentava cassar o mandato do prefeito da cidade, Tatá Amaral (PR) por suposto crime eleitoral.

A Coligação “Avante Poconé I”, da candidata derrotada, Meire Adauto, ingressou com Ação de Investigação Judicial Eleitoral (AIJE) contra o prefeito Tatá Amaral, seu vice Antônio Deogenes de Carvalho, por suposto crime eleitoral no pleito de 2016.

Na ação, a coligação de Meire acusou o prefeito e o vice de diversos crimes eleitorais, exemplo: Gastos Ilícitos (Doadores de campanha beneficiários do programa Bolsa Família), Captação de Sufrágio (Movimentação anormal de pessoas em um posto de combustível) e veiculação de imagens inverídicas em redes sociais.

A juíza da 4ª Zona Eleitoral de Mato Grosso, Kátia Rodrigues de Oliveira, não acatou a denúncia contra o prefeito de Poconé, por entender que para decretação de perda de mandato é exigido prova robusta e inequívoca.

“Imperioso consignar, finalmente, que a supremacia da vontade popular estampada nas urnas não pode sucumbir frente a suposições não comprovadas, ainda que pairem suspeitas sobre a absoluta integridade dos atos praticados pelos atores políticos e seus asseclas nos cursos das campanhas eleitorais.”, diz trecho da decisão da juíza.



COMENTÁRIOS