POLÍTICA

BOIS NO PANTANAL

19/05/2017 às 11:50:57 Enviar Imprimir
Ex-secretário Nadaf rebate empresário e garante ser dono de fazenda em Poconé

O ex-secretário-chefe da Casa Civil, Pedro Nadaf, declarou ser o proprietário da fazenda, localizada em Poconé, que entregou à Justiça como garantia de ressarcimento aos cofres públicos. Nadaf rebateu as afirmações do empresário Roberto Peregrino Morales, que garantiu ainda ser o dono da propriedade rural, e afirmou que pagou pela compra da fazenda, adquirida em nome o ex-diretor do Serviço Social do Comércio (Sesc) em Mato Grosso, Marcos Amorim da Silva.

Em entrevista ao FOLHAMAX, o empresário Roberto Peregrino Morales afirmou que não vendeu a fazenda para o ex-secretário, que somente teria arrendado o imóvel durante o período de três meses, pelo valor de R$ 285 mil. Peregrino ainda relatou que concedeu procuração para que Marcos Amorim tivesse plenos poderes sobre a propriedade, pois acreditava que o ex-diretor do Sesc poderia vender o imóvel para ele.

O empresário contou que Amorim se apropriou da fazenda, registrou o bem em seu nome e, posteriormente, o entregou à Justiça como se pertencesse a Nadaf, para que o ex-secretário obtivesse a liberdade. Segundo Peregrino, Nadaf e Amorim praticaram um golpe contra ele. Atualmente, o empresário tenta, por meio de ação protocolada na Justiça, recuperar a propriedade.

Em comunicado assinado pela defesa de Nadaf, o ex-secretário refutou as informações de Peregrino e assegurou que comprou a fazenda. Ele explicou que a procuração somente foi concedida a Marcos Amorim após ter concluído a compra do imóvel.

"Nunca houve contrato de arrendamento da área de terras, tanto que o senhor Roberto Peregrino Morales outorgou uma procuração pública dando amplos poderes para transferência do imóvel rural, especialmente para que pudesse imediatamente vender, ceder, transferir ou escritura ao próprio mandatário ou terceiros, no caso para a pessoa do senhor Marcos Amorim da Silva", pontuou.

O ex-secretário enfatizou que não mentiu ao Ministério Público Estadual (MPE) ao confessar que tinha comprado parte da fazenda com R$ 500 mil que recebeu em esquema de desapropriação criminosa de uma zona rural, investigada na "Operação Seven".

“O senhor Pedro Jamil Nadaf tem assumido toda a sua responsabilidade civil e criminal perante a Justiça, colaborando para o esclarecimento da verdade e ainda reparando os danos causados ao erário, com o devido ressarcimento financeiro, anotando-se que, neste caso especifico, encontram-se nos autos documentos sigilosos que comprovam a falsidade das declarações do senhor Roberto Peregrino Morales na matéria veiculada”, mencionou o comunicado.

Nadaf argumentou que Peregrino, que também é réu na segunda denúncia da Seven, estaria tentando utilizar fatos apurados pelo MPE para tentar se beneficiar ou se eximir de suas responsabilidades civis e criminal. "O que não irá prosperar, porque tudo será provado perante a Justiça", justificou trecho da nota.

De acordo com o ex-secretário, Peregrino mentiu ao afirmar que vendeu 200 cabeças de gado suas. "O senhor Pedro Jamil Nadaf jamais adquiriu gado do Sr. Roberto Peregrino Morales, de sorte que também essa assertiva é falsa e não tem eco nos fatos que foram devidamente apurados na investigação criminal”, informou a defesa do ex-aliado de Silval Barbosa.

Por fim, o comunicado reiterou informações que foram repassadas por Nadaf ao MPE, de que o ex-diretor do Sesc não sabia que o dinheiro utilizado para a compra da propriedade rural seria oriundo de fraudes contra os cofres públicos. “Reafirma ainda que o senhor Marcos Amorim da Silva não teve qualquer envolvimento com o fato descrito com o senhor Roberto Peregrino, sendo apenas o intermediário para aquisição do imóvel em atendimento ao pedido do Sr. Pedro Jamil Nadaf, não tendo o mesmo conhecimento da origem do dinheiro utilizado para compra do imóvel”, garantiu.




COMENTÁRIOS