POLÍTICA

CIDADÃO MATO-GROSSENSE

19/04/2017 às 14:35:52 Enviar Imprimir
Deputado cita pesquisas para 2018 e vê homenagem a ex-presidente Lula como tardia

O deputado estadual Valdir Barranco (PT) classificou como “descabida” a tentativa de anular o título de cidadão mato-grossense ao ex-presidente da República Luiz Inácio Lula da Silva (PT). A homenagem foi aprovada por unanimidade pelos parlamentares, durante votação na semana passada. No entanto, o deputado estadual Adalto de Freitas, o Daltinho (Solidariedade), requereu à Mesa Diretora da Assembleia a anulação da votação que aprovou a concessão da honraria. A proposta para que Lula receba a homenagem foi apresentada pelo deputado estadual Valdir Barranco, em novembro passado.

Entre os argumentos para que o ex-presidente recebesse o título, o parlamentar mencionou a história de vida de Lula e ações promovidas por ele durante o período em que ocupou a presidência do País. A concessão do título foi aprovada pela Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Assembleia Legislativa do Estado (AL-MT).

O projeto foi encaminhado ao plenário e, em primeira votação, os deputados apoiaram, por unanimidade, a concessão do título ao petista. De acordo com Barranco, a homenagem a Lula é merecida e será entregue ao ex-presidente de modo tardio. "O presidente Lula tem uma história de dedicação a Mato Grosso desde o início dos anos 80, quando ele já andava aqui no Estado para fortalecer o movimento sindical e o Partido dos Trabalhadores. Depois, enquanto presidente da República, ele teve muitas ações no Estado e isso ninguém pode negar”, comentou.

O parlamentar mencionou benefícios que o petista teria trazido ao Estado. “De 2003 a 2010, enquanto ele foi presidente, a BR-158 recebeu 310 quilômetros de asfalto. Nenhum presidente investia naquela área, porque não tinha coeficiente eleitoral no Araguaia. A BR-158 é uma realidade. Aquilo era um sonho. Hoje, quem vai para o Araguaia sabe que ainda faltam 120 quilômetros para concluir o asfalto, mas por conta de empecilhos ambientais, por questões indígenas. O projeto Luz Para Todos também foi uma realidade. Quem anda no campo sabe o que significou esse programa. Outro item é o Plano Safra, que foi muito útil e fez o agronegócio crescer muito. Ele saltou de R$ 27 bilhões para R$ 100 bilhões, durante o período do governo Lula. Então, o agronegócio ganhou muito durante o período em que esteve à frente do Brasil e se tornou essa potência que é hoje. A Agricultura familiar também ganhou muito com o Lula. O Minha Casa Minha Vida também. Ele entregou 4 milhões de residências no Brasil e 100 mil no Estado”, pontuou.

Para Barranco, o Estado demorou para reconhecer a importância de Lula para a região mato-grossense. “Por tudo o que ele fez, é merecedor dessa homenagem tardia. É uma personalidade que é homenageada no mundo todo. Ele tem 27 títulos de honoris causa. É o presidente que mais acumulou homenagens de todas as universidades do mundo. Ele tem muitos títulos de cidadão e comendas. Mato Grosso, por tudo o que ele fez, demorou para dar esse reconhecimento a ele”, asseverou.

O parlamentar acredita que a população mato-grossense concorda com a honraria que pode ser concedida ao ex-presidente. “A população tem correspondido a isso. Ontem, a pesquisa Vox afirmou que o presidente Lula cresceu ainda mais e já chegou a 44% de intenção de votos, achei que ele demoraria ainda mais para chegar a esse número. A soma de todos os adversários daria 33%. Se as eleições fossem hoje, ele seria eleito sem segundo turno. Então, isso é reconhecimento. A gente ouve uma camada da população que critica, mas tenho recebido muitos telefonemas e tenho andado por aí e tenho sido muito elogiado por ter reconhecido o presidente, principalmente as pessoas mais pobres, que sabem reconhecer o que significou o presidente Lula”, comentou.

O deputado estadual ainda rebateu as críticas de que Lula não deveria receber a homenagem, em razão de ser citado em diversas delações premiadas de ex-executivos da Odebrecht, como beneficiário de propinas da empreiteira, e por ser réu em ações penais de operações que apuram crimes contra os cofres públicos. "Qualquer um pode sofrer acusação. Sobre a delação, qualquer um que está preso e quer se livrar, hoje em dia tem delatado o que for preciso, para poder se livrar. Condenado ele não é. Acabou de sair a decisão da Justiça de São Paulo, que arquivou o processo do caso do Triplex. Então, delação e acusações são o que tem. Por enquanto, o presidente Lula continua na sua condição democrática de ficha limpa e fará a sua defesa em todos os processos”, justificou.

CRÍTICAS DE PARLAMENTARES

Apesar de o projeto ter sido aprovado por unanimidade pelos parlamentares que estavam presentes na sessão de 12 de abril, alguns deputados decidiram se manifestar contra a honraria. Um deles foi Daltinho, que protocolou pedido para anular a votação que apoiou a homenagem. Barranco criticou o fato de a honraria poder ser cancelada. “Todo deputado tem a obrigação de saber no que está votando. Ele tem que ler a pauta. Então, ninguém pode alegar que votou a matéria sem saber”, declarou.

Ele teceu críticas à tentativa de Daltinho anular a votação. "É uma atitude descabida, é um desrespeito com os parlamentares que votaram. Não foi somente eu que votei. Passou pela Comissão de Justiça e foi aprovada por unanimidade. Veio para o Plenário e também foi aprovada por unanimidade. Então, acho descabida”, comentou.

Ainda ocorrerá uma segunda votação, para definir se a Casa de Leis aprovará a concessão do título a Lula. No entanto, Barranco se mostra confiante sobre o projeto e contou que já está em contato com representantes do ex-presidente. "Estamos tratando com o Lula para trazê-lo para Mato Grosso. A agenda dele é complexa, porque ele é uma personalidade que tem uma agenda com muitas atividades. Então, a gente já tem tratado sobre isso com ele e com a assessoria dele. No momento oportuno, sem pressa, estaremos trazendo ele aqui”, frisou.




COMENTÁRIOS