ECONOMIA

BOLSA

05/09/2017 às 23:18:15 Enviar Imprimir
Bovespa fecha quase estável após bater maior patamar desde o ano de 2008
A principal índice da B3 (antiga BM&FBovespa, a bolsa brasileira) fechou quase estável nesta terça-feira (5), após ter subido com força e alcançado a maior pontuação desde 2008, diante da visão de fortalecimento do governo do presidente Michel Temer, após a possibilidade de anulação do acordo de delação com a J&F.

Contudo, o índice perdeu fôlego no início da tarde, contaminado pelo exterior, com as bolsas dos Estados Unidos ampliando as perdas nos índices S&P 500 e Dow Jones.

O Ibovespa subiu 0,03%, a 72.150 pontos. Veja a cotação de hoje. Mais cedo, o índice chegou a avançar 1,46% na máxima da sessão, a 73.179 pontos. Foi o maior patamar intradia (durante a sessão) desde a máxima histórica em 29 de maio de 2008, de 73.920 pontos.

Delação da JBS

As ações da JBS lideraram as baixas, com queda de 8,28%, a R$ 7,87.

Na véspera, o procurador-geral da república, Rodrigo Janot, mandou investigar indícios de omissão na delação dos donos da JBS, o que pode cancelar os benefícios concedidos aos executivos.

A notícia enfraquece a possibilidade de uma nova denúncia contra o presidente Michel Temer e aumenta as expectativas de que o governo conseguiria se fortalecer politicamente e encaminhar com mais segurança a pauta econômica no Congresso Nacional.

Mais: Ação da JBS acumula perdas de mais de 17% em meio a notícias sobre delação
Janot destacou, contudo, que provas as apresentadas pelos delatores até o momento continuam válidas. "O anúncio... de que a delação da JBS pode ser anulada por suspeitas de irregularidades, fortalece ainda mais a posição do presidente Temer", escreveram analistas da corretora Coinvalores, em nota a clientes.

As atenções também seguem voltadas para o Congresso Nacional, diante da expectativa de conclusão da votação da medida que altera as metas de déficit fiscal deste e do próximo ano. Além disso, o Senado precisa votar a criação da Taxa de Longo Prazo (TLP) antes que a medida provisória perca a validade, na quinta-feira.



COMENTÁRIOS