ECONOMIA ▸ BAIXA

País criou vagas para negros e pardos em 2018, e fechou para brancos; entenda

O ano de 2018 terminou com criação de vagas formais para pessoas negras e pardas, mas fechamento de postos para brancos, segundo o Cadastro Nacional de Empregados e Desempregados (Caged). Poderia ser uma notícia positiva – afinal, o desemprego entre pretos e pardos é historicamente maior no Brasil que entre brancos. No entanto, os dados sugerem que a situação é, na verdade, de desigualdade.

A lista de postos que mais criaram empregos formais no Brasil conta com ocupações de menor remuneração, como alimentador de linha de produção, faxineiro, auxiliar de escritório e servente de obras. Enquanto isso, os postos que lideraram as baixas no mercado formal são cargos de supervisão e gerência.

Pedro Rossi, professor do Instituto de Economia da Unicamp, aponta que essa diferença na criação de empregos entre pretos e pardos e brancos estaria ligada “a empregos de pior qualidade, mas não necessariamente de pior qualificação”.

O economista comenta que, após a perda de postos de trabalho em um período de crise, o mercado de trabalho vem voltando a abrir vagas, porém com remuneração menor na comparação com os postos fechados. Nesse sentido, os dados refletem a presença maior de negros e pardos em cargos de baixa remuneração, enquanto os brancos predominam em postos com salários maiores.

“Esse fenômeno é, de fato, uma associação perversa que se faz. Há uma desigualdade no mercado de trabalho”, diz Rossi. “A população negra está associada a uma renda menor.”
Os dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) mostram que efetivamente o rendimento médio de negros e pardos é menor que o de brancos. Em 2017, o rendimento real de um trabalhador branco era de R$ 2.615, em média. Enquanto isso, o de um negro ou pardo era de R$ 1.516.

A diferença persiste mesmo quando os dados consideram pessoas com o mesmo nível de escolaridade – ou seja, a remuneração de trabalhadores brancos é maior que a de negros e pardos com o mesmo nível de estudo. Os dados são da Síntese de Indicadores Sociais (SIS), divulgada no final de 2018.

Comentários