NACIONAL ▸ JURI POPULAR

Pai, madrasta e outros dois réus são condenados pela morte do menino Bernardo

O Conselho de Sentença do Tribunal do Júri condenou nesta sexta-feira (15) os quatro acusados pela morte do menino Bernardo Uglione Boldrini, em abril de 2014. Após cerca de 50 horas de julgamento popular, em cinco dias, a sentença foi proferida pela juíza Sucilene Engler Werle por volta das 19h no Foro de Três Passos, no Noroeste do Rio Grande do Sul.

Veja as penas
Graciele Ugulini, madrasta de Bernardo, teve a pena mais alta: 34 anos e sete meses de reclusão em regime inicialmente fechado, por homicídio quadruplamente qualificado e ocultação de cadáver. Ela não poderá recorrer em liberdade.
Leandro Boldrini, pai da criança, recebeu 33 anos e oito meses de prisão por homicídio doloso quadruplamente qualificado, ocultação de cadáver e falsidade ideológica.
Edelvânia Wirganovicz, amiga de Graciele, foi condenada a 22 anos e 10 meses por homicídio triplamente qualificado e ocultação de cadáver.
Evandro Wirganovicz, irmão de Edelvânia, pegou nove anos e seis meses em regime semiaberto por homicídio simples e ocultação de cadáver.
O G1 transmitiu o julgamento ao vivo.

Ao ouvirem o veredito, seguido das penas, os réus não esboçaram reação. Na plateia, estavam os irmãos de Leandro Boldrini. O mais velho balançava a cabeça em sinal de negação. Minutos após o resultado ser divulgado, Edelvânia puxou um abraço entre irmãos. Separados por uma mesa, ela estendeu os braços em direção a Evandro, que retribuiu.

Cabe recurso (entenda abaixo). Os quatro já estavam presos e retornaram às penitenciárias após o julgamento. Dezenas de pessoas da comunidade aguardavam a saída dos condenados em frente ao Fórum. Aos gritos de "assassinos, assassinos", a população assistiu de perto aos carros da Superintendência de Serviços Penitenciários (Susepe) deixando o local.

Muitos, inclusive, pediram para tirar fotos ao lado dos promotores do Ministério Público ao fim do julgamento.

O que dizem as partes

O advogado de Leandro Boldrini, Ezequiel Vetoretti, não quis se manifestar sobre o resultado. Ele disse que a defesa ainda irá analisar se vai recorrer da decisão.

A defesa de Graciele Ugulini já adiantou que vai recorrer. "Vou recorrer por uma questão de ordem técnica, nós entendemos que tem uma problemática na montagem do Conselho de Sentença", afirmou ao G1 o advogado Vanderlei Pompeu de Mattos.

O advogado de Edelvânia Wirganovicz também irá recorrer. "Para tentar reduzir um pouco essa pena, analisar se tem alguma hipótese para anulação do júri", explicou o advogado Jean Severo, complementando que também tentará a absolvição de sua cliente no homicídio (em caso de anulação do júri).

O representante de Evandro Wirganovicz disse que a condenação foi injusta e que vai entrar com recurso. "Há uma condenação sem provas no caso do Evandro. Não há qualquer elemento que justifique a condenação", disse o advogado Luiz Geraldo Gomes dos Santos.

O Ministério Público ainda vai analisar se irá recorrer, pedindo o aumento das penas.

Comentários