POLÍCIA ▸ PAMONHA

Líder de facção tem cortejo fúnebre marcado com buzinaços, fogos e funk

O cortejo fúnebre de Edimilson Filho Alves da Silva, de 23 anos, que foi assassinado por um motociclista na noite de segunda-feira (14), chamou atenção dos moradores de Rondonópolis (a 218 km de Cuiabá). O último adeus do suposto lider do Comando Vermelho, teve mais de 500 pessoas ao som de funk, com fogos e carreata. 

A despedida foi realizada na terça-feira (15), e as pessoas mais próximas de Edmilson, que era apelidado de Pamonha, fizeram uma manifestação na Avenida Bandeirantes, no bairro Jardim Assunção. Na concentração, os acompanhantes estavam em diversos carros com som automotivo, a pé e com cartazes para homenagear Pamonha.

"Quem traiu vai pagar, na fé de Deus. Quem traiu vai pagar. A judaria que fizeram com o mano meu", essa é letra do funk escrito pelo MC Menor do Chapa e foi o enredo do cortejo. A manifestação contou com aproximadamente 100 veículos às ruas.

Segundo informaçções de populares, Edimilson fazia parte da facção que é respeitada dentro do Presídio da Mata Grande. As pessoas que participaram do velório disseram que os detentos também fizeram uma roda de oração para poder lembrar de sua morte.  

No Facebook, amigos de Edimilson juraram vingança, “de agora para frente só observem o satanáis (Sic) solto em Rondonópolis”, estava escrito em um post.

O assassinato

Edimilson foi assassinado com um tiro na cabeça, na noite de segunda-feira (14), no bairro Jardim Ipanema, na cidade de Rondonópolis. Ele estava na Rua Francisco Manduca, em seu veículo Hyundai I30, quando foi executado. Testemunhas relataram que o assassino chegou em uma motocicleta e se aproximou do veículo onde a vítima estava. Sem dizer nada, o bandido sacou um revólver e atirou diversas vezes contra Edimilson.

De acordo com a polícia, Edimilson foi indiciado por tráfico de drogas e porte ilegal de armas. O homem era considerado pela polícia como um dos líderes do Comando Vermelho em Rondonópolis.

O caso está sendo investigado pela Delegacia de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP) da cidade de Rondonópolis. 

Comentários