POLÍCIA ▸ ISCA

Jovem de 19 anos atrai homens pelo Tinder e comete assaltos na cidade de Cuiabá

A Polícia Militar desbaratou uma quadrilha em Várzea Grande que utilizava uma jovem de 19 anos, Larissa de Oliveira Brandão, como "isca" para atrair homens até lugares ermos e lá roubar pertences pessoais e carros de suas vítimas.

Os outros suspeitos de integrar a associação criminosa são Jeberson Viana Correa, 25 anos, Bruno de Souza Pereira, 18 anos, Maycon Feliphe Araujo Costa, 21 anos. Todos foram presos e devem ser indiciados por assalto, sequestro, tortura mediante sequestro, cárcere privado e direção perigosa.

Tudo começava com Larissa de Oliveira Brandão fazendo um contato com sua potencial vítima via aplicativos de namoro como Tinder ou pelo Facebook. Assim que a conversa era entabulada, ela chamava o “conquistador” para sair, depois o levava até um local e lá o alvo era surpreendido pelo bando armado. Somente nesta semana, a polícia registrou dois casos com o mesmo modus operandi e com Larissa apontada como a isca.

Foi o que aconteceu com P.C.C., 31 anos, a vítima mais recente. Conforme o próprio P.C.C. narrou na Delegacia do Parque do Lago, aonde o bando está preso,  ele conheceu a jovem de 19 anos há pouco tempo pelo Tinder. Começou a conversar com ela até que por volta das 22h de ontem (14), ela marcou um encontro no Centro de Cuiabá.

Segundo o narrado no boletim de ocorrência, P.C.C. chegou em seu Golf, encontrou Larissa  e ela o convenceu a irem até o Centro de Eventos do Pantanal, no popular “Mirantinho”, para “namorarem”. Não ficaram nem cinco minutos juntos e já chegou o suspeito Jerbeson Viana Correa armado.

Primeiro obrigaram o homem a rodar por cerca de 15 minutos, com Jeberson o tempo todo ameaçando matá-lo, até em um lugar ainda mais ermo. Lá, colocaram PCC dentro do porta-malas do Golf e o levaram até a Fazenda São José na MT-402, onde foi amarrado pelos pés e mãos e deixado em um matagal.

Após minutos de esforço e pânico, a vítima conseguiu desamarrar os pés, andou por algum tempo e pediu socorro ao caseiro da fazenda, que ligou 190 e explicou o que havia acontecido. Via rádio, a viatura da PM já informada, percebeu o Golf passando na avenida Mário Andreazza, altura do Condomínio Rubi, onde, além de Larissa e Jeberson, também estavam no carro os outros suspeitos: Bruno de Souza Pereira e Maycon Feliphe Araujo Costa.

“Com apoio das guarnições da 1,2,3 cia a GU PM conseguiu lograr êxito em abordar o veiculo nas proximidades da Escola Jayme Veríssimo de Campos Junior (Jaiminho). Foi verificado que se encontrava dentro do veiculo quatro pessoas sendo três homens e uma mulher, sendo feito a busca pessoal e veicular”.

Inicialmente, eles negaram o crime, mas assim que foram localizados os pertences de PCC na bolsa de Larissa, Jeberson começou a confessar que planejou tudo com ela, que chegou até o Mirantinho de Uber e logo depois anunciou o assalto apontando um revólver calibre 38.

OUTRO CASO

Antes do caso acontecido nesta madrugada, Larissa já foi apontada como suspeita em outro b.o. registrado na terça-feira (11) à noite. Numa história semelhante, ela atraiu um homem de 36 anos que conheceu há duas semanas em mídias sociais até um bar de onde lá, alegou de que precisava de uma carona para supostamente a casa dela.

Logo que chegou ao local apontado por ela, um homem armado apareceu, rendeu a vítima e entrou em seu carro, um Citröen C4. Assustado, ele tentou fugir correndo, mas o suspeito avisou que iria atirar em suas costas caso não parasse. Rodando pela cidade, a vítima ainda perguntou se Larissa estava bem. Ela riu na cara dele e avisou que estavam juntos.

Na altura do centro, o homem assaltado desceu do carro e saiu correndo, gritando e pedindo ajuda, pois acabara de ser assaltado. A Polícia Militar foi acionada e conseguiu localizar o carro abandonado no bairro Despraiado, mas sem o Macbook e duas celulares, levados pela dupla.

Comentários