MUNDO ▸ CRISE

Chanceler da Rússia adverte EUA sobre passos agressivos na Venezuela

O ministro das Relações Exteriores da Rússia, Sergey Lavrov, voltou a criticar nesta quarta-feira (1º) o que chama de influência dos Estados Unidos na crise venezuelana. Pelo telefone, o chanceler russo disse a Mike Pompeo, secretário de Estado norte-americano, que os EUA terão "graves consequências" se continuar a dar "passos agressivos" na Venezuela.

"Só o povo venezuelano tem o direito de determinar seu destino, razão pela qual é necessário um diálogo entre todas as forças políticas do país, que é o que há muito tempo pede o governo", disse Lavrov de acordo com o comunicado.

Lavrov ressaltou que "a destrutiva ingerência exterior, mais ainda com o uso da força, não tem nada em comum com os processos democráticos".

Segundo a agência EFE, o chefe da diplomacia russa denunciou que "a ingerência de Washington nos assuntos internos de um país soberano e as ameaças a seus dirigentes são uma grosseira violação do direito internacional".

A Venezuela voltou a atrair atenções do mundo depois do acirramento da crise na terça-feira, quando Guaidó convocou manifestantes com a alegação de que havia conquistado apoio dos militares – o que o regime chavista negou. Houve confrontos com dezenas de feridos, principalmente na capital Caracas.

Comentários