POLÍTICA ▸ CAMARA FEDERAL

Bolsonaro deve ter apoio de apenas três deputados de Mato Grosso

O presidente eleito Jair Bolsonaro (PSL) deve ter apoio irrestrito de apenas três dos oito deputados federais de Mato Grosso que assumiram o cargo no próximo ano.

Os deputados eleitos Nelson Barbudo (PSL), José Medeiros (Podemos) e Emanuelzinho (PTB) já declararam abertamente apoio ao novo presidente e deverão seguir junto de Bolsonaro nas votações de interesse do Palácio do Planalto na Câmara Federal.

Medeiros ajudou a coordenar a campanha de Bolsonaro e Barbudo eleito com ligação direta com o novo presidente. Emanuelzinho declarou voto no capitão da reserva e o PTB já anunciou que fará parte da base de apoio no Congresso Nacional.

A deputada federal eleita Rosa Neide (PT) deve ser a única a estar efetivamente na oposição. Com 57 deputados eleitos, o Partido dos Trabalhadores deve ser a maior sigla de oposição a Bolsonaro na Câmara.

De modo geral, os parlamentares devem seguir orientações de seus partidos. Porém, alguns também fazem parte das chamadas bancadas temáticas, que têm pautas preferenciais a serem votadas no Congresso. 

Neri Geller (PP), por exemplo, afirmou que seguirá orientação de seu partido e também da Frente Parlamentar da Agricultura (FPA). “Mas eu vou ficar atento aos movimentos. Tudo que for para enxugar, diminuir a máquina, tirar a burocracia, eu sou a favor. Nós temos que transformar o Estado mais eficiente e en

O parlamentar ainda espera que a situação do PP possa mudar durante a montagem do ministério de Bolsonaro. O deputado federal Jerônimo Goergen (PP-RS) foi indicado pelo presidente da União Democrática Ruralista e conselheiro de Bolsonaro, Antônio Nabhan Garcia, para comandar o Ministério da Agricultura.

O parlamentar ainda espera que a situação do PP possa mudar durante a montagem do ministério de Bolsonaro. O deputado federal Jerônimo Goergen (PP-RS) foi indicado pelo presidente da União Democrática Ruralista e conselheiro de Bolsonaro, Antônio Nabhan Garcia, para comandar o Ministério da Agricultura. 

Bloco independente

Leonardo Albuquerque (SD), que é atualmente deputado estadual e foi eleito a federal, disse ao preferir se posicionar de maneira independente com relação ao Governo Federal. O posicionamento do Solidariedade ainda não foi definido pelo diretório nacional, presidido pelo sindicalista Paulinho da Força. 

"Eu particularmente gostaria de experimentar a sensação de independência. Mas o presidente Paulinho vai tomar o melhor caminho, vai articular, e nós vamos atuar partidariamente. O que eu espero é que tenha independência e discussão, com embasamento técnico, e que vejamos o que é melhor para o Brasil”, declarou Leonardo. 

Conforme apurou a reportagem, o MDB, que terá os deputados eleitos Carlos Bezerra e Juarez Costa, segue indefinido. Na próxima semana, líderes do partido, incluindo representantes de Mato Grosso, devem começar a conversar com a equipe de transição do novo presidente para avaliar a possibilidade de coalizão no Congresso. A sigla está entre aqueles partidos que devem ser o “fiel da balança”, definindo votações – serão 34 deputados emedebistas, no total.

Comentários